Para Refletirmos

O pensamento comunista me trás sentimentos de profundo amor. É como as gotas de chuva para as plantas depois de um longo período de estiagem: vem para purificar e dar lugar a nova estação.

Miriam Pacheco S. Seixas

sexta-feira, 8 de maio de 2009

Inteligências Multíplas

Por Fernando F. da SIlva

A Face Oculta do Cérebro

Quando tudo o que se sabia a respeito da gênese do conhecimento humano, do processo ensino-aprendizagem e das técnicas psicopedagógicas parecia fazer sentido, novas descobertas vieram revolucionar o panorama das Ciências da Educação neste fim de milênio.


Tudo começou na Universidade de Harvard na primeira metade da década de 90, onde o professor Howard Gardner pesquisava distúrbios mentais causados por traumatismos e tumores. Estudando detidamente diversos casos de lesões cerebrais e suas respectivas conseqüências, ele percebeu que as áreas corticais afetadas comprometiam algumas habilidades individuais, deixando intactas outras competências. Incomodado com suas observações, e desejoso de esclarecer o mistério que ali se escondia, Gardner guiou-se no conhecimento até então acumulado e em sua própria intuição, aprofundando e sistematizando suas pesquisas até chegar à conclusão de que o ser humano é dotado de múltiplas inteligências.

O processo de pesquisa passou por diversas etapas: inicialmente, formou-se uma equipe multidisciplinar à qual se atribuiu o nome de Projeto Zero. O objetivo inicial era o de determinar se aquelas competências recém-descobertas poderiam ser estimuladas com drogas, exercícios físicos, intervenções cirúrgicas, treinamento ou outras formas. Posteriormente, quando o projeto ganhou corpo e seus resultados começaram a ser respaldados pela comunidade científica, Gardner e seus colegas receberam apoio e verbas do governo norte-americano, podendo a partir daí firmar parcerias com cientistas de todo o mundo, das quais resultou a teoria das Múltiplas Inteligências que conhecemos hoje.

Segundo a revista Escola 100% "tão importante quanto a multiplicicade das competências é a descoberta de que todas elas podem

ser desenvolvidas por processos básicos, sem sofisticação, em qualquer lugar do mundo. Começa-se agora a brotar, uma perspectiva educacional nunca antes vislumbrada.

A partir do momento em que se estabelece que o desenvolvimento das múltiplas inteligências é tarefa da escola, o educador assume uma importância que, historicamente, só os grandes pensadores atingiram, em pleno apogeu da Grécia antiga. A Era do Cérebro é também, portanto, a Era do Educador."


As Bases Bioquímicas - por Ozéas Ascendino Gomes

A capacidade de entendimento, fixação e seleção de certas relações entre conteúdos cerebrais não se encontra, ainda, bem delineada. O que se sabe é que a inteligência, bem como as aptidões de um indivíduo, está relacionada com o Sistema Nervoso Central (SNC). Este sistema se constitui de células nervosas com inúmeras conexões possíveis: para se ter uma idéia, uma criança recém-nascida tem cerca de 100 bilhões de neurônios já formados!

As ligações entre terminais nervosos – as chamadas "sinapses" – são efetivadas sob efeito de estímulos do meio ambiente. Por isso, quanto mais tenra a idade do indivíduo maior se apresenta a plasticidade neuronal para a formação de novas conexões. Isso talvez explique por que uma criança demonstra maior facilidade para o aprendizado, por exemplo, de uma língua estrangeira, se comparada a um adulto. Por outro lado, existe um poderoso limitador para a assimilação e fixação de novos elementos cognitivos: a formação genética, que determina a presença – em determinadas condições e quantidades – de substâncias químicas que atuam como materiais carreadores de estímulos entre os neurônios. Estas substâncias são conhecidas como neurotransmissores, e se movem através dos canais celulares, de um neurônio para outro, conduzindo a informação cerebral. A assimilação de substâncias capazes de interferir neste mecanismo de ação sináptica pode influenciar negativamente a ação seletiva da inteligência ou da aptidão, inibindo a sinapse e obstando o mecanismo cerebral. A ingestão continuada de drogas como o álcool, a maconha, a cocaína e o crack podem alterar definitivamente a capacidade de apreender e processar informações, causando uma queda no desempenho intelectual do indivíduo. Uma coisa é certa: tanto o desenvolvimento harmo-nioso da inteligência como da aptidão depende muito da perspicácia dos pais e educadores nos primeiros anos de vida da criança. Incentivando – sem forçar – as tendências positivas demonstradas pelo infante, pode-se facilitar a liberação, no cérebro deste, de substâncias químicas neurotransmissoras indispensáveis a uma futura vida sadia .

Pós-graduado em Geociências e Mestre em Motricidade Humana, o professor Ozéas Ascendino Gomes é também perito criminal e professor titular da FAMATH.

Conheça as Competências:

Lingüística ou Verbal associada à fala, se destaca em escritores, poetas, escritores e oradores, que se expressam com extrema clareza e constroem sintaxes com facilidade e perfeição.

Lógico-matemática

está associada à simbologia dos números e sinais usados em Matemática. Manifesta-se acentuadamente em físicos, engenheiros e matemáticos, que constroem equações com grande facilidade e percebem na linguagem numérica uma forma universal de comunicação.

Espacial: está ligada à capacidade de perceber, fora do plano material, objetos e eventos. É assim que se associam a criatividade e a espacialidade. Presente em projetistas e arquitetos, é também marcante em marinheiros, motoristas de táxi e outros que localizam espacialmente os lugares.

Sonora ou Musical: manifesta-se nas pessoas que extraem elementos múltiplos do som e compreendem sua combinação como verdadeira linguagem. Pode ser aprofundada através de estímulos programados, incorporando a linguagem do som às outras tantas inerentes ao ser humano.

Cinestésico-corporal: está associada ao movimento e é marcante em atletas, bailarinos, mímicos e todos que fazem de seus movimentos corporais uma forma de linguagem com a qual resolvem dificuldades.

Naturalista: associada à vida natural e vegetal, é também conhecida como inteligência ecológica ou biológica. Através de um programa de estimulação, pode abrir perspectivas para a compreensão do fenômeno da vida e suas múltiplas interdependências, criando novos conceitos de beleza.

Pessoais: costumam ser divididas em intra e interpessoais. As primeiras estão ligadas ao autoconhecimento e, portanto, à individualidade e auto-estima. São comuns em pessoas que compreendem seus limites e se aceitam. Já as interpessoais se associam à empatia e à capacidade de leitura e compreensão do outro, e se mostram expressivas em grandes líderes carismáticos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário