Para Refletirmos

O pensamento comunista me trás sentimentos de profundo amor. É como as gotas de chuva para as plantas depois de um longo período de estiagem: vem para purificar e dar lugar a nova estação.

Miriam Pacheco S. Seixas

sexta-feira, 24 de julho de 2009

REPOUSO

Por Míriam Pacheco da Silva Seixas

Mesmo distante, meu coração navega, errante,

sofre um oceano de fortes lembranças.


Lembro das noites que acordados,

juntos ficamos,

de prosa boa nos nutrimos,

de suspiros de um amor infindo,

juras secretas fizemos,

segredos jamais revelados,

sou mar sem fim,

você é onda em mim.


Tu, que na calada da noite

rouba-me um beijo,

rouba mais que isso,

pois assim deseja meu âmago.


Não há distância que me separe de ti,

meu coração em noites frias

chama tua graça bem baixinho,

quase em silêncio, sussurra,

para não acordar a criança

que no quarto de sonhos

precisa de uma ama

para zelar por seus sonhos.


Amor selvagem e indomado

levado e sorrateiro,

que mesmo eu estando em repouso

invade minha madrugada

e leva meu sono

tira o sossego

e ao mesmo tempo

alenta meu coração.


Amor bandido

seqüestrou minha alma

de ti não tiro férias

esse sossego não quero

pois sua essência me atrai

desde nosso princípio.


Desespero sinto, se contigo não falo,

minha garganta arranha em dores,

sussurra baixinho teu nome.


A distância não atrapalha,

vislumbro tua face nitidamente,

e não preciso de fotografia,

para tua essência tão linda

enxergar.


Preciso apenas, nutrir-me de boas lembranças,

e vejo tua face cristalina,

e teu coração de herói,

surge neste coração de menina.


Você é mais que loucura de amor

Você é ternura em mim.

Não se sintas culpado

de roubar-me o sono,

que este coração navegante

almeja a cada dia,

mais uma noite de insônia a seu lado,

que de mil noites dormidas.


Furto, agora teu sono,

ainda que cambaleies um pouco,

sei que você necessita

estar em meus braços,

linda criança,

homem-menino,

herói-criança,

meu amante,

meu amor,

pois é isso que me acorda

na madruga.


Teus gemidos

minha alma furta,

e não me fales

para largar-te agora,

não quero o sono esta noite

nem outra companhia anseio,

se não somente a tua,

meu anjo

minha vida,

minha alma gêmea.


Sinto teu cheiro,

inda mais teu gosto,

ouço tua doce voz

que de teus lábios

sussurra meu nome baixinho,

pois também zelas

pelo sono dos justos.


Mesmo que a distância

insista em roubar-te de mim.


Uma distância ilusória,

e totalmente irreal,

pois para meu coração

que sente o seu tão colado,

tão grudado, nem percebe

que sonhamos a noite toda.


Sem ti não tenho alegria,

pois é tua essência, tão nobre,

que minha alma refresca

no calor da noite

e me aquece nas madrugadas frias.


Amor!

não me digas boa noite ainda,

quero-te mais, mesmo que seja por pouco,

e mesmo que sol raie,

que o amanhecer espere mais um pouco,

pois preciso de ti,

amor da noite.


De dia sua face se esvai,

e fico apenas com a lembrança

da noite que contigo passei acordada,

que embalaste-me em teu colo,

que zelaste-me me como menina

e amaste-me como mulher.


Nenhum comentário:

Postar um comentário