Para Refletirmos

O pensamento comunista me trás sentimentos de profundo amor. É como as gotas de chuva para as plantas depois de um longo período de estiagem: vem para purificar e dar lugar a nova estação.

Miriam Pacheco S. Seixas

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

INCONSISTÊNCIAS

Por – Miriam Pacheco

Sou sua sombra na noite fria,

Um sopro incessante na calada do dia,

O pensamento inconstante,

Um erro consciente,

A falha perceptível.

O drama circense,

Um canto lírico,

A música ensandecida,

O sino eufórico.

Melodia que embala,

Os atos inconseqüentes,

As manias persistentes.

Tempo assíduo,

O relógio apressado,

O compasso apurado,

Uma onda forte,

Um mar sem fim,

O sol que invade,

E ilumina,

O mais profundo breu,

As fases da lua,

A mais linda noite de luar.

O vendaval furioso,

A brisa da primavera.

A incógnita,

A interrogativa.

A saudade da partida,

O bilhete da chegada.

Um pássaro sem destino,

A liberdade almejada.

A jóia mais rara.

A flor de admirável fragrância.

O amor cruel,

O sonho pérfido

O pesadelo aflito,

A imaginação mais inocente.

O Se...

O não...

O talvez...

A certeza...


(Este poema esta no papel há alguns meses, porém não conseguia conclui-lo, após conversar com um amigo, cheguei a conclusão que precisava. Dedico este poema ao amigo Átila).

Nenhum comentário:

Postar um comentário