Para Refletirmos

O pensamento comunista me trás sentimentos de profundo amor. É como as gotas de chuva para as plantas depois de um longo período de estiagem: vem para purificar e dar lugar a nova estação.

Miriam Pacheco S. Seixas

quinta-feira, 21 de maio de 2009

Vigilância Sanitária


Atividades Educativas da Vigilância Sanitária de Ribeirãos das Neves.






O QUE É VIGILÂNCIA SANITÁRIA?

Vigilância Sanitária é um setor da saúde que tem como objetivo o bem-estar coletivo. Ela é um auxiliar ao código de defesa do consumidor no que se refere a produtos de saúde ou de interesses à saúde.

Sua função é fiscalizar os estabelecimentos que lidam com alimentos como: restaurantes, lanchonetes, bares, feiras, açougues, padarias, confeitarias, supermercados, etc.

Atua ainda em estabelecimentos como: farmácias, consultórios médicos e odontológicos, laboratórios, hospitais, clubes, escolas, creches, academias, salões de beleza, hotéis, pousadas, cemitérios e quaisquer estabelecimentos de interesse à saúde.

O PAPEL DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA - VISA

A Vigilância Sanitária por se preocupar com a saúde coletiva passa a ser um mecanismo de defesa co consumidor, e tem como objetivo prevenir riscos à saúde. Para isso, o órgão de Vigilância Sanitária trabalha com leis: federal, estadual e municipal, para que o cidadão seja respeitado e valorizado, adquirindo produtos ou serviços de qualidade.

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA – ANVISA

A Vigilância Sanitária é um órgão nacional que atua nos níveis: federal, estadual e municipal. Ela é a responsável pelo registro de produtos que recebem uma identificação do Ministério da Saúde.

PERIGOS QUE AFETAM OS ALIMENTOS

Os microrganismos, também chamados de micróbios, são seres vivos muito pequenos que só podem ser vistos com a ajuda de um microscópio.

Quando os microrganismos se multiplicam e chegam a milhões, formam colônias que podem ser vistas a olho nu (mofos, bolores, ou cheiros desagradáveis).

Os microrganismos estão em todos os lugares e afetam dos alimentos, geralmente pela falta de higiene. Microrganismos muito perigosos podem ser passados de uma pessoa para o alimento, por falta de higiene. Ou ainda chegam aos alimentos pela falta de higiene nos utensílios e equipamentos utilizados no preparo do alimento. E pode ocorrer ainda pela falta de cuidado na preparação ou na distribuição.

Para termos uma saúde com qualidade é muito importante que os alimentos sejam seguros.

É o que são alimentos seguros? São aqueles que não oferecem perigos à saúde e à integridade do consumidor.

Estes perigos podem ser: biológicos, físicos ou químicos.


PERIGO BIOLÓGICO – podem ser provocados por microrganismos que não podemos ver a olho nu, mas que são as principais causas de contaminação dos alimentos, exemplos:

§ Salmonela, gênero de bactérias patogênicas transmitidas por determinados alimentos contaminados, como carne de ave, ovos ou outras carnes. A Salmonella typhi produz a febre tifóide e a Salmonella enteriditis provoca gastroenterite – salmonelose – : intoxicações alimentares que causam dor abdominal, febre, náuseas, vômitos e diarréia.

§ Escherichia coli.


PERIGO QUÍMICO – são provocados por produtos como desinfetantes, inseticidas ou outros que em contato com o alimento, contamina e pode causar dores fortes etc.


PERIGO FÍSICO – são provocados por materiais que podem machucar, como: pregos, pedaços de plástico ou vidro etc, e que podem entrar em contato com os alimentos.

E o que pode acontecer com as pessoas que comem alimentos contaminados com os perigos: biológicos, químicos ou físicos?

§ Podem se ferir;

§ Podem ficar doentes;

§ Podem até morrer.


E no preparo de alimentos, o que pode acontecer?

Perigos biológicos, químicos e físicos podem contaminar os alimentos na hora do preparo, provocando doenças no consumidor.

Por isso procure consumir produtos de qualidade, que tenham registros no Ministério da Saúde e ANVISA.

Procure serviços seguros: restaurantes, bares, lanchonetes e outros pontos de produção e venda de alimentos que tenham sido vistoriados pela Vigilância Sanitária Municipal, e como fazer isso? Observe se o estabelecimento comercial tem alvará sanitário atualizado que deve estar afixado em local bem visível.


As Boas Práticas de Fabricação (BPF) abrangem um conjunto de medidas que devem ser adotadas pelas indústrias de alimentos a fim de garantir a qualidade sanitária e a conformidade dos produtos alimentícios com os regulamentos técnicos. A legislação sanitária federal regulamenta essas medidas em caráter geral, aplicável a todo o tipo de indústria de alimentos e específico, voltadas às indústrias que processam determinadas categorias de alimentos.


Clique aqui para obter mais informações sobre a legislações sobre Boas Práticas de Fabricação Alimentos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário